Idioma:

Com a Microsoft, a Nokia só tem a perder

12 de fevereiro de 2011 | Em Matérias | 265 visualizações | Por

Clique e compartilhe: 


A gigante dos celulares tem tudo para se transformar em um OEM, produzindo aparelhos com o sistema de um outro fabricante, como a HTC, Samsung, LG ou tantas outras.

nokia microsoft maosNão faz um ano que Anssi Vanjoki, na época responsável pela divisão de smartphones da Nokia, descartou a ideia da empresa abandonar o Symbian e usar um outro sistema operacional em seus smartphones como uma insensatez. Foi exatamente o que Stephen Elop, atual CEO da empresa,fez, ao anunciar neste 11 de Fevereiro de 2011 o acordo com a Microsoft para a utilização do Windows Phone 7 em seus futuros smartphones.

É verdade que o Symbian já “deu o que tinha pra dar” e em sua forma atual não deixou de ter condições de competir em um mercado dominado pelo iOS e disputado por concorrentes de peso como o Android e WebOS. Mas o Windows Phone 7 não era a única direção para onde a Nokia poderia correr.

A empresa tem um projeto de um sistema operacional de próxima geração, o Meego (desenvolvido em parceria com a Intel). E o Android, que é aberto, pode ser usado por qualquer fabricante e ajudou a Motorola a sair de uma situação parecida pouco mais de um ano atrás.

Ignorando os motivos por trás da escolha, em minha opinião a Nokia sai perdendo com o acordo. Em primeiro lugar, em credibilidade: durante anos a empresa reiterou seu compromisso com o Symbian e a comunidade de desenvolvedores que se formou ao redor dele, e mais recentemente alardeava que “o Meego é o nosso futuro”. Todas estas palavras foram subitamente jogadas ao vento.

Também perde no mercado. Segundo uma nota no Engadget, a Nokia teria total liberdade para customizar o que quisesse no Windows Phone 7. Isso vai contra a politica atual da Microsoft, que exige dos fabricantes um alto grau de padronização, tanto no hardware quanto no software.

A Microsoft pode, sim, ter concedido privilégios especiais à Nokia como parte de um incentivo à migração, mas com isso a empresa irá certamente irritar seus parceiros atuais, como HTC, Samsung e LG, que tiveram o mesmo pedido negado e fizeram uma aposta muito maior adotando o sistema operacional desde o primeiro dia.

Com um sistema e hardware padronizados, haverá pouco para diferenciar um smartphone Nokia de um modelo da LG ou Samsung. A empresa será forçada a competir em preço e com concorrentes que tem escala maior (e com isso preço menor) e muito mais agilidade no desenvolvimento e lançamento de novos modelos, itens que nunca foram o ponto forte dos finlandeses.

E o futuro dos sistemas operacionais da Nokia? A empresa jura pela sua äiti (mamãe, em finlandês) mortinha que Symbian e Meego irão continuar vivos, felizes e fortes. Mas acredito que a realidade não é bem assim.

O Symbian será na prática relegado à segunda divisão. Os aparelhos “carro chefe” da Nokia rodarão Windows Phone 7, enquanto o Symbian será o sistema para aparelhos de baixo custo e mercados emergentes. Todos os esforços de pesquisa e desenvolvimento serão interrompidos (se já não foram), e o sistema receberá apenas atualizações de manutenção.

Já o Meego será um sistema de pesquisa. Nele a Nokia testará novos conceitos e formatos de aparelhos (como tablets), mas ele nunca será utilizado num smartphone topo de linha. Segundo rumores a Nokia já cancelou o desenvolvimento do primeiro aparelho com Meego, o N9. Imagino que a empresa lançará algum aparelho para justificar o desenvolvimento e as promessas, mas que depois não ouviremos falar do sistema por um tempo.

A “velha” Nokia, que investia em pesquisa e desenvolvimento, que colocou no mercado alguns dos primeiros smartphones, que criou um dos aparelhos eletrônicos mais vendidos no mundo (o Nokia 1100), que já dominou a categoria dos “superfones” com o N95, morreu nesta sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011.

Não se enganem, a “nova” Nokia é um OEM, produzindo aparelhos com o sistema de um outro fabricante, como a HTC, Samsung, LG ou tantas outras. Se isso vai ser bom para o futuro da empresa, só o tempo dirá.

De Ivaiporã/PR, Engenheiro de Computação, Administrador do Grupo Dicas em Geral. Apaixonado por Tecnologia e Informática.



Um pouco sobre nós

    O Grupo Dicas em Geral surgiu em 2007 a partir de idéias inovadoras sobre solução de problemas enfrentados diariamente por quem utiliza a Tecnologia e Informática, tanto usuários comuns quanto técnicos. Mas onde surgiu, por quê e qual é o propósito deste site?

Clique aqui e conheça!

Siga o Dicas em Geral no Google+

Vídeo da Semana