Idioma:

Um terço das empresas brasileiras sofreu ataques digitais em 2011

24 de fevereiro de 2012 | Em Curiosidades | 203 visualizações | Por

Clique e compartilhe: 


Um estudo divulgado nesta quinta-feira pela PwC apurou que em 2011 os crimes digitais atingiram 32% das empresas questionadas no Brasil. De acordo com a sexta edição da Pesquisa Global sobre Crimes Econômicos, realizada a cada dois anos, os ataques realizados via computador ou internet são o segundo principal crime contra as empresas brasileiras, atrás apenas de roubo de ativos.

hacker ataqueA média nacional é mais alta do que a global, em que 23% das companhias pesquisadas afirmam sofrer com crimes cibernéticos. O País também tem índice maior entre os que consideram que os ataques cresceram em 2011: 45% no Brasil contra 39% no somatório de todas as nações ouvidas. No lado positivo, as empresas brasileiras promoveram mais treinamentos de segurança digital: 63% em terras verde-amarelas e 58% das globais.

Os prejuízos de 5% dos entrevistados brasileiros com ataques chegaram a US$ 5 milhões, enquanto outros 5% tiveram perdas de US$ 100 milhões a US$ 1 bilhão. Mas o dinheiro não é a principal preocupação dos pesquisados. Segundo 63% deles, o dano à reputação é uma questão mais importante do que o prejuízo financeiro (48%), e este ainda fica atrás do temor com a interrupção do serviço (50%).

Apesar das preocupações, 51% os ouvidos por aqui afirmam que os presidentes-executivos ou diretores de suas empresas não adotaram processos para verificar ameaças, número que cai para 40% na média mundial. Outro dado levantado é que apenas 36% das companhias brasileiras e 40% das globais monitoram redes sociais. Embora elas não sejam fonte de ataques, segundo a PwC, podem ser usadas para coletar informações sobre indivíduos-chave da empresa ou para instalar arquivos maliciosos no computador desta pessoa. Os respondentes da pesquisa relataram que 71% dos crimes teriam sido cometidos por funcionários (56% é a média mundial), sendo que 67% desse total seriam colaboradores sem cargo de gerência.

O relatório bianual ainda levantou que 68% das companhias do País sofreram roubo de ativos, 18% tiveram problemas com corrupção e suborno e 11% com fraude contábil. Na classificação mundial, os índices colocam o Brasil numa faixa intermediária de incidência de crimes econômicos. O Quênia fica em primeiro lugar, com 66% de respostas positivas, e o Japão em último, com apenas 6% das empresas relatando problemas do gênero.

Com informações de tecnologia.terra.com.br

Webdesigner, Técnico em Hardware, Técnico em Mecatrônica e estudante de Medicina.



Um pouco sobre nós

    O Grupo Dicas em Geral surgiu em 2007 a partir de idéias inovadoras sobre solução de problemas enfrentados diariamente por quem utiliza a Tecnologia e Informática, tanto usuários comuns quanto técnicos. Mas onde surgiu, por quê e qual é o propósito deste site?

Clique aqui e conheça!

Siga o Dicas em Geral no Google+

Vídeo da Semana